8 de nov de 2015

Instalação do Granito na Varandinha!!!

Oiiiiii genteeeeee!!!

Muito feliz de voltar a compartilhar com vocês a rotina da nossa reforma.

É bem verdade que ela anda bem devagar.

Mais lenta do que gostaríamos.

Mas o importante é que temos o nosso cantinho e aprendemos a desfrutar de cada decisão e de cada mudança que está acontecendo nele.

No post anterior mostrei um pouco da troca do piso.

Hoje, vou falar como foi a escolha e a instalação do granito.

Bom, não foi bem uma escolha, pois na época em que fechamos com o granito, só poderíamos colocar o mesmo padrão que a construtora havia escolhido.

Até entrei em contato com o síndico da época, mas ele me disse que esse assunto ainda não havia sido votado em assembléia e portanto, se eu quisesse escolher por outra pedra deveria esperar.

Mas eu queria já passar por essa etapa, então não houve outra escolha!

O lado positivo é que o granito que foi entregue pela construtora não era tão feio e pra minha alegria era um dos padrões com o m² mais em conta.

E com vocês o granito:


Ocre Itabira!!!


Não é a coisa mais linda do mundo!

Mas se não tem tu, vai tu mesmo!

Hahahahaha!!!

Depois fui em busca dos orçamentos e gente do céu!

Falo por experiência, façam sempre no mínimo 03 orçamentos!

Fiquei surpresa com a diferença de preço e no fim fiquei contente de saber que economizaríamos uma graninha!

Mas por outro lado, ficamos bem frustados com o atendimento da empresa.

O rapaz que veio para tirar as medidas foi muito atencioso, me deu diversas dicas e me deixou com uma excelente impressão, então  fiquei bem tranquila da escolha que estávamos fazendo.

Então ele foi embora e ficou de me ligar passando o orçamento final.

Dias depois recebi a ligação, mas não era ele e sim a secretária da empresa que me passou o valor, que por sinal era ótimo, combinei com ela a forma de pagamento e já deixei marcado a data de instalação.

Meu marido foi então a empresa para fazer o pagamento e para nossa surpresa ela disse a ele que o valor estava certo, porém que não podia fazer o parcelamento da forma que ele havia dito alegando que a empresa não autorizava.

O chato da situação é que quando falei com ela no primeiro contato ela me disse a mesma coisa, mas eu insisti e ela aceitou fazer da forma que eu pedi e ficou tudo certo.

Então meu esposo passou o celular para ela e ela não assumiu o combinado.

Imagina só!

Fiquei muito chateada e só não desisti por que não sou de dar minha palavra e voltar a trás.

Bem diferente dela!

E como já haviam começado a fazer o bendito projeto tive a consciência que se cancelasse eles ficariam com um prejuízo.

Enfim, então deixei meu marido resolver, por que a minha vontade era de ir lá e falar direto com o proprietário.

Mas se vocês acham que os problemas acabaram aí, não mesmo!

Quando chegou na data combinada para a instalação precisei pedir uma folga na empresa que trabalhava e fiquei no apartamento esperando.

Deu o horário marcado e nada.

Esperei mais um pouco, esperei, esperei e esperei.

Então liguei lá e a "querida" secretária me disse que não vieram por que não estava marcado.

Genteeeeeeeeee...

Não acreditava que isso estava acontecendo e de novo!

Foi mais um estresse!

E ela?

Bom, ela mais uma vez não assumiu o combinado!

E para mim a situação ficou bem clara:

Primeiro ela deu pra trás no acordo do parcelamento por que a empresa não deve ter autorizado, mas ao invés de me ligar e tentar resolver ela preferiu mentir.

E quanto ao dia da instalação, bom, ela esqueceu de agendar.

Só que mais uma vez pedi pro meu esposo resolver.

Enfim, ele remarcou e dessa vez eles vieram na data e hora marcadas.

Então vocês vão entender se eu não indicar essa empresa né?

O que é uma pena, por que como disse no início o rapaz que veio fazer o orçamento foi muito profissional e a equipe que veio para fazer a instalação foram também impecáveis.

Mas por conta de uma única pessoa que mostrou ser extremamente anti-profissional e de um caráter no mínimo duvidoso não fico confortável para indicá-los.

Desculpem o desabafo, mas eu acredito que devemos compartilhar nossas experiências da forma mais sincera possível, justamente para ajudar outras pessoas a não passarem pelas mesmas dificuldades.

Mas vamos ao que interessa, o resultado final, certo?

Para relembrar, a varandinha era assim:


Então pedi para fazer uma moldura para a churrasqueira:



E uma bancadinha para auxiliar na hora do churrasco:





E nas duas janelas foram instaladas as pingadeiras:



Agora falta encomendar a soleira para a porta de correr:


Só que dessa vez vou ter que ser mais cuidadosa!

Rsrsrsrsrsrs...

Então é isso gente!

Grande beijo pra vocês!

7 de nov de 2015

Um apartamento de 45m² bem planejado

Um apartamento prático e despojado!

Onde livros, discos e objetos ligados a música ficam em total evidência!

A área de 45 m² do apartamento foi ocupada por móveis feitos sob medida para aproveitar melhor o espaço.

E como o imóvel era novo, não foram necessárias muitas alterações estruturais.

Confira o resultado...

A bancada de refeições e o painel de TV são em melamina branca diamante (Masisa) e o rack (que também funciona como banco) é de melamina carvalho (Masisa).


A mesa de jantar é da Oppa (Mesa Eme). 

Os quadros são de artistas gaúchos e foram adquiridos na galeria Calafia Art Store, de Porto Alegre (RS).



O nicho da TV possui iluminação embutida em um negativo na marcenaria e é iluminado com fita LED. 

Apesar de não ser visível à primeira vista, há um painel para esconder a fiação da antena e a rede elétrica para os equipamentos da TV.


O piso de todo o apartamento é vinílico com acabamento Macadâmia (Tarkett Fademac) e o sofá é da Tok&Stok (sofá Jack). 

Ao fundo, uma vitrola revela a paixão da moradora pela música.



A abertura entre a sala e a cozinha já fazia parte do projeto original da construtora. 

A arquiteta Priscila Berselli aproveitou o layout para aplicar a marcenaria.


Na cozinha foi mantido o revestimento cerâmico branco entregue pela construtora. 

Os armários da parte inferior seguem a mesma melamina branca diamante (Masisa) do living e o acabamento do aéreo é laca fosca (Sayerlack).



Originalmente, a lavanderia estava alinhada com a cozinha. 

"Nós deslocamos as esperas da máquina de lavar e do tanque para a parede da janela e criamos um plano de trabalho em 'L', melhorando o acesso a máquina", explica Priscila. 

A marcenaria também esconde o aquecedor e sua tubulação.


Destaque para a cabeceira da cama.

O painel foi feito na mesma melamina branco diamante do living com um negativo para iluminação embutida com fita de led. 

A parede foi pintada na cor Afrodite, da Suvinil (acrílica fosca).


Mais neutro impossível: 

O banheiro ganhou louças e revestimentos brancos. 

A torneira foi deslocada para a lateral da cuba para aproveitar melhor o espaço estreito do gabinete.


Lindo e simples!!!

Fonte: Casa.com - Clique AQUI!

DIY - Globo lindoooooo!!!

Oi meus amores?

Tô aqui de novo!

Mas dessa vez é para dar uma dica Do it Yourself simplesmente lindo que eu conheci no blog da Carla Sant'anna - Burguesinhas onde você encontra muitas outras ideias incríveis!

Ela diz que não é a pessoa mais artística desse mundo e garante que se ela consegue fazer, qualquer um consegue!

Rsrsrsrsrs...

Bom!

Carlinha eu acho você super criativa e além disso, você consegue passar de um jeito muito especial a sua mensagem!

Por isso adoro assistir seus vídeos!

Mas vamos ao projetinho?

Para seguir o passo a passo vou deixar o link do canal que ela tem no You Tube, é só clicar AQUI!




Lindo não?

Faça o seu também!!!

Grande beijoooo!!!

Piso da Varandinha

Oi vizinhança linda?

Hoje é sábado e o dia por aqui está lindo!

E vou continuar contando pra vocês como foi o processo da reforma da nossa varandinha.

Começando pela instalação do piso!

Como já disse em posts anteriores, não gostava da cerâmica que foi entregue pela construtora e decidi por trocar pelo porcelanato que imita deck de madeira.

E foi amor a primeira vista!


Mais detalhes vocês podem conferir AQUIAQUI e AQUI!

Mas antes de prosseguir, dá uma conferida de como era o piso da varanda:





Infelizmente não consegui contratar o mesmo pedreiro que fez a instalação do porcelanato da parede do corredor, o que imita canjiquinha.

Quem não viu pode conferir AQUI!

Mas por indicação de uma colega de trabalho contratamos um outro pedreiro e graças a Deus também deu tudo certo!

Com a orientação dele comprei:

* Argamassa:

- Tipo: ACIII.
- Marca: Votoran.
- Cor: Cinza.
- Quantidade: 20 Kg.


* Rejunte:

- Marca: Juntacolor.
- Cor: Castor.
- Quantidade: 01 Kg.


* Ralinho:

- Marca: Gênova.
- Medidas: 10 x 10.
- Acabamento: Inox.
- Modelo: Quadrado - Abre e Fecha.
Olha só a sequencia da instalação...







E no dia seguinte ele veio para rejuntar...



Olha o Ozzy cheretando!



Quando ele terminou não gostei muito por que a cor do rejunte ficou muito marcado nos rodapés.

Mas como mais pra frente irei pintar as paredes da varanda, fiquei mais tranquila.

Dava pra suportar!

E por hoje é isso pessoal!

No próximo post falo pra vocês da etapa do revestimento da parede!

Grande beijão!!!

Dica de Filme!!!

A dica de hoje na verdade é tripla!

Livro, Filme e Música!

Into the Wild ou Na Natureza Selvagem (Título no Brasil) é um filme emocionante!
Baseado em fatos, escrito e dirigido por Sean Penn.
É uma adaptação do livro de mesmo nome do autor Jon Krakauer de 1996 que relata as viagens de Christopher McCandless.
O filme é estrelado por Emile Hirsch como McCandless e um grande elenco que reúne: Marcia Gay Harden, William Hurt, Jena Malone, Catherine Keener, Vince Vaughn, Kristen Stewart, Hal Holbrook, entre outros.
  
  
  

O filme estrelou durante o Festival de Roma em 2007 e mais tarde foi nomeado para dois Globo de Ouro, ganhou o prêmio de melhor canção original com Guaranteed de Eddie Vedder e também foi indicado a dois Oscar.


Fonte: Wikipedia.
Não queria comentar muito nessas dicas de filmes, mas é impossível não falar um pouco da história verdadeira por trás do enredo, pois é ela que te prende e faz depois de assistir ao filme querer conhecer quem foi e o que fez Christopher McCandless.
Em 1990, com 22 anos e recém-licenciado, Christopher McCandless ao terminar a faculdade, doa todo o seu dinheiro a uma instituição de caridade, muda de identidade e parte em busca de uma experiência genuína que transcendesse o materialismo do cotidiano. 

Abandona, assim, a próspera casa paterna sem que ninguém saiba e aventura-se na estrada. 
Perambula por uma boa parte da América, chegando mesmo ao México à boleia, a pé, ou até de canoa, arranjando empregos temporários sempre que o dinheiro faltasse,mas nunca se fixando muito tempo no mesmo local. 
Chris acaba por abandonar o seu carro e queimar todo o dinheiro que levava consigo para se sentir mais livre. 
Desconfiado das relações humanas, ansiava por chegar ao Alasca, onde poderia estar longe do homem e em comunhão com a natureza selvagem e pura. 
O que lhe acontece durante este percurso transforma o jovem num símbolo de resistência para inúmeras pessoas.
Christopher dá igualmente início a uma aventura começando por fazer uma capucho ao Alex que mais tarde viria a encher as páginas dos jornais e que termina com a sua morte no Alasca.
Chistopher queria fugir de uma família materialista, hipócrita e cheia de mentiras. 
McCandless era um rapaz tímido, mas extremamente simpático, uma pessoa que faz amigos com facilidade, com uma simpatia espontânea, onde apenas se entrevê uma certa tristeza interior, não obstante toda a força que possui. 
Infelizmente McCandless não é bem tratado pela rude e impiedosa natureza que tanto amou, e onde procurou uma solução para o seu vazio. 
O tocante final do filme, é o derradeiro motivo para admirarmos esta sétima obra de Sean Penn atrás da câmara.
Era Christopher McCandless um aventureiro heróico ou um idealista ingênuo que tudo arriscava ou uma trágica figura que lutava com o precário balanço entre homem e Natureza e contra o materialismo da sociedade?
Podem se seguir discussões e debates para decidir se era ele uma resposta a uma sociedade doente ou um jovem intenso demais em tudo que fazia. 
Porém, todo julgamento que fizermos dele será hipotético: sobre alguém que atravessou as fronteiras de si mesmo e chegou onde poucos habitam, que experimentou o seu jeito de viver e concluiu que seu lugar no mundo não era tão ruim assim. 


Mas já era tarde demais para voltar, ele já estava onde o julgamento nem bem compreende e nossa sociedade isolada em suas redes de comunicação não pode sequer supor.
Fonte: Wikipedia.
Vale a pena assistir!